Este site utiliza Cookies que lhe permitem otimizar a sua navegação. Ao continuar está a permitir a sua utilização. Saber Mais »
 

Qualidade

 

A N Seguros procura ser uma empresa de referência no mercado segurador direto pela qualidade e excelência do seu serviço. Nesse sentido as reclamações constituem oportunidades quotidianas de reflexão e melhoria internas.

Com o objetivo de contribuir para a criação de um ambiente organizacional focado no Cliente, a N Seguros adota a seguinte Política de Tratamento, cujos princípios seguem os narrados no Código de Ética, conta com o envolvimento e compromisso da Gestão da N Seguros e procura ser um meio transparente e regulador na gestão das reclamações dirigidas à N Seguros.

Considera-se reclamação qualquer manifestação de discordância em relação à posição assumida pela N Seguros S.A., ou de insatisfação em relação aos serviços prestados por esta, bem como qualquer alegação de eventual incumprimento apresentada por tomadores de seguro, segurados, beneficiários ou terceiros lesados.

Não se inserem no conceito de reclamação as declarações que integram o processo de negociação contratual, as comunicações inerentes ao processo de regularização de sinistros e eventuais pedidos de informação ou esclarecimento.

Para apresentar uma reclamação deverá preencher o Formulário de Reclamação com os dados solicitados, seguindo criteriosamente as indicações de preenchimento e enviar para um dos contactos disponibilizados:


Fax
22 090 77 77

Email 
info@nseguros.pt

 

Documentação

Formulário

 

REQUISITOS MÍNIMOS PARA APRESENTAÇÃO DE UMA RECLAMAÇÃO

 

a) Apresentação por escrito;
b) Nome completo do reclamante e, caso aplicável, da pessoa que o represente;
c) Qualidade do reclamante, designadamente de tomador de seguro, segurado, beneficiário ou terceiro lesado ou de pessoa que o represente;
d) Dados de contacto do reclamante e, se aplicável, da pessoa que o represente;
e) Número de documento de identificação do reclamante;
f) Descrição dos factos que motivaram a reclamação, com identificação dos intervenientes e da data em que os factos ocorreram, exceto se for manifestamente impossível;

 

PROVEDOR DO CLIENTE *

 

Só podem ser dirigidas ao Provedor as reclamações que já tenham sido objeto de apreciação pela área de Gestão de Reclamações da N Seguros S.A. às quais não tenha sido dada resposta no prazo máximo de 20 dias ou, nos casos que revistam especial complexidade, de 30 dias ou que tendo-o sido, o reclamante discorde do sentido da mesma.

 

Nome da entidade a quem devem ser dirigidas:
Dr. José Alves de Brito – Provedor do Cliente da N Seguros S.A.

 

Morada
Rua de S. Domingos à Lapa, nº 35
1249-130 Lisboa

 

Email 
provedordocliente@nseguros.pt

 

Estatuto e Regulamento do Provedor do Cliente

 

Formulário Provedor do Cliente

 

Relatório Provedor do Cliente

 

*A N Seguros S.A. e o Provedor reservam-se o direito de não admissão da reclamação, nos termos do regulamento em vigor, sempre que:
(i) Sejam omitidos dados essenciais que inviabilizem a respetiva gestão e que não tenham sido devidamente corrigidos;
(ii) Se pretenda apresentar uma reclamação relativamente a matéria que seja da competência de órgãos arbitrais ou judiciais ou quando a matéria objeto da reclamação já tenha sido resolvida por aquelas instâncias;
(iii) A reclamação reitere reclamações anteriores apresentadas pelo mesmo reclamante em relação à mesma matéria e que já tenham sido objeto de resposta pela entidade a quem são dirigidas, salvo se a mesma contiver factos novos;
(iv) A reclamação não tiver sido apresentada de boa fé ou o respetivo conteúdo for qualificado como vexatório.

 

 

OUTRAS ENTIDADES A QUEM PODEM SER DIRIGIDAS AS RECLAMAÇÕES

 

Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensão
Avenida da República, 76
1600-205 Lisboa
Telefone: (+351) 21 790 31 00
Fax: (+351) 21 793 85 68
Linha informativa: 808 787 787 (Horário de atendimento: das 9h às 16h)
Email: asf@asf.com.pt

 

Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor – DECO
Rua Artilharia Um, 79 - 4º
1269 - 160 Lisboa
Telefone: 21 371 02 00
Fax: 21 371 02 99
Email: decolx@deco.pt

 

 

Participação de Fraudes

 

 

Legislação Útil

 

 

Decreto-Lei n.º 291/2007 de 21 de agosto
Estabelece os prazos e procedimentos para a regularização de sinistros automóveis.

Decreto-Lei n.º 153/2008, de 6 de agosto
Altera o art.º 64.º do DL n.º 291/2007, de 21 de agosto, que aprova o regime do seguro obrigatório de responsabilidade civil automóvel.

Lei n.º 147/2015, de 9 de setembro
Aprova o regime jurídico de acesso e exercício da atividade seguradora e resseguradora.

Procede à primeira alteração do regime jurídico do contrato de seguro

Decreto-Lei n.º 72/2008, de 16 de abril 

Regime jurídico do contrato de seguro.

Norma Regulamentar n.º 9/2006-R, de 24 de outubro 
Sistema de Colocação de Contratos de Seguro Obrigatório de Responsabilidade Civil Automóvel Recusados.

Norma Regulamentar n.º 16/2007-R, de 20 de dezembro
Norma Regulamentar da ASF relativa à regulamentação do regime de regularização de sinistros no âmbito do seguro Automóvel.

Norma Regulamentar n.º7/2009-R. de 14 de maio
Altera os art.s 3.º e 5.º da Norma Regulamentar n.º 16/2007-R. de 20 de dezembro, relativa à regulamentação de sinistros no âmbito do seguro Automóvel.

Norma Regulamentar n.º17/2010-R. de 18 de novembro
Altera o art. 5.º da Norma Regulamentar n.º 16/2007-R. de 20 de dezembro, relativa à regulamentação de sinistros no âmbito do seguro Automóvel.

Norma Regulamentar n.º 14/2008-R, de 27 de novembro
Aprova a Parte Uniforme das Condições Gerais da apólice de Seguro Obrigatório de Responsabilidade Civil Automóvel.
 

Norma Regulamentar n.º 2/2013-R. de 10 de janeiro  
Altera e republica a Norma Regulamentar n.º 10/2009-R. de 25 de junho, que estabelece os princípios gerais a observar pelas empresas de seguros no seu relacionamento com os tomadores de seguros, segurados, beneficiários ou terceiros lesados, em particular quanto à respetiva política de tratamento, à gestão das reclamações que lhes sejam por estes apresentadas, ao provedor do cliente e à política anti –fraude.

Decreto-Lei n.º 95/2006, de 29 de maio
Estabelece o regime aplicável à informação pré-contratual e aos contratos relativos a serviços financeiros prestados a consumidores através de meios de comunicação à distância pelos prestadores autorizados a exercer a sua atividade em Portugal.

Lei n.º 67/98, de 26 de outubro 
Transpõe para a ordem jurídica interna a Diretiva n.º 95/46/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 24 de outubro de 1995, relativa à proteção das pessoas singulares no que diz respeito ao tratamento dos dados pssoais e à livre circulação desses dados.

Lei n.º 103/2015, de 24 de agosto 
Altera a Lei n.º 67/98, de 26 de outubro, relativa à proteção e pessoas singulares no que diz respeito ao tratamento dos dados pessoais e à livre circulação desses dados.

Decreto-Lei n.º 122/2000 de 4 de julho
Transpõe para a ordem jurídica interna a Diretiva n.º 96/9/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 11 de março, relativa à proteção jurídica das bases de dados.

Decreto-Lei n.º 88/2009, de 9 de abril
Altera e republica o Decreto-Lei n.º 290-D/99, de 2 de agosto, que regula a validade, eficácia e valor probatório dos documentos eletrónicos, a assinatura eletrónica e a atividade de certificação de entidades certificadoras estabelecidas em Portugal.

 

Enviar a um Amigo

Se acha que esta página pode ser útil a um amigo(a) pode usar este formulário para enviar o endereço.